O culto dos Santos na Igreja

“A exemplo da santidade daquele que vos chamou, sede também vós santos em todas as vossas ações, pois está escrito: Sede santos porque Eu Sou Santo (Lev 11, 44).” (1Pd 1, 15-16)

Os católicos prestam culto de veneração aos santos canonizados da igreja. Cabe esclarecer, que o termo veneração vem do termo grego dulia, significa respeito, admiração. Mas o que seria canonização dos santos?

“Canonização é o reconhecimento definitivo pelo qual a Igreja declara que alguém viveu exemplarmente a fé, participa da glória celeste, prescrevendo que lhe seja prestada a veneração pública. Uma pessoa não é santa porque a Igreja canoniza, mas a Igreja canoniza porque ela é santa. A igreja pelo magistério solene e universal do Papa reconhece a santidade de seus membros e Filhos.” *

Esse respeito pelos santos, pelas pessoas que viveram o evangelho de forma exemplar é uma pedagogia que nos fortalece para que sejamos também nós santos. Mas o que é ser santo?
“Ser santo é viver o amor puro a Deus e aos irmãos... O martírio constitui o cume da santidade, porque faz do cristão um seguidor de Jesus Cristo, até o ponto de deixar entregar a vida e deixar derramar o sangue como testemunho por Ele. Santos são, enfim, todos aqueles que viveram o evangelho e se encontram na casa do Pai.”*

Desde os primeiro séculos os cristãos prestam culto aos santos. Desde as primeiras comunidades cristãs que se presta culto aos mártires da fé. No início bastava o reconhecimento da comunidade para se iniciar o culto de veneração, mas com o tempo a Igreja exigiu um procedimento mais detalhado, e a canonização passou a ser feita pelo Papa. “Na perfeição dos santos, em primeiro lugar,os católicos adoram, louvam e bendizem a obra do criador e redentor, a expressão perfeita de sua sabedoria e vitória. O culto aos santos desperta, nos que estão em estado de peregrinação, o desejo de chegarem à Jerusalém celeste, onde já se encontram os bem aventurados.” *

A doutrina católica diz que quando morremos, nossa alma é julgada e segue para seu destino, imediatamente (Hb 9, 27), por isso aqueles que morreram na justiça e santidade, agora estão na presença do Senhor, e por isso podem interceder por nós, até o dia da parusia de Cristo, onde os corpos mortais ressuscitarão. Assim como posso eu rezar por alguém, ou alguém rezar por mim, os santos, que estão com Deus na glória, o podem fazer também. “As testemunhas que nos precederam no Reino, especialmente as que a Igreja reconhece como ‘santos’, participam da tradição viva da oração pelo exemplo modelar de sua vida, pela transmissão de seus escritos e por sua oração hoje. Contemplam a Deus, louvam-no e não deixam de velar por aqueles que deixaram na terra. Entrando "na alegria" do Mestre, eles foram "postos sobre o muito". Sua intercessão é o mais alto serviço que prestam ao plano de Deus. Podemos e devemos pedir-lhes que intercedam por nós e pelo mundo inteiro.” (CIC  2683)

Para a maioria das doutrinas protestantes os mortos não estão ainda com Deus, eles ainda esperam o julgamento, por isso não admitem a intercessão. Os santos não cessam de orar por nós, intercedendo pelos nossos caminhos aqui, para atingirmos a perfeição. Nós vivemos na comunhão dos santos, onde a igreja celeste se mantém unida a igreja peregrina através de sua intercessão. “Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio.” (CIC 956)

“Não choreis! Ser-vos-ei mais útil após a minha morte e ajudar-vos-ei mais eficazmente do que durante a minha vida.” (São Domingos, moribundo falando a seus irmãos)

“Passarei meu céu fazendo bem na Terra” (Santa Terezinha do menino Jesus)

Deus escuta seus santos filhos, como escutou Abraão no caso de Sodoma (Gn 18, 16-33), como escutou Moisés no caso das serpentes (Nm 21, 7-8), como Deus escutou a voz de um homem, pela voz desse homem o Senhor fez o sol e a lua pararem, e Deus obedeceu a voz de um homem (Jos 10, 12-14). O senhor escuta seus filhos, por isso, em obediência a santa Igreja, que possui as chaves do céu, devemos venerar os santos canonizados, e rezar pedindo sua intercessão.

Deus é o único que se deve adorar, mas podemos sim venerar os santos, exemplo de vida que devemos seguir, Jesus é o único mediador entre Deus e os homens (I tm 4, 5), mas os santos fazem parte do nosso plano de salvação, intercedem por nós, e com seu exemplo, animam nossa caminhada rumo ao céu.

CIC=Catecismo da igreja católica
*Publicações da CNBB-subsídio, Sou católico, Vivo minha fé, nº 02, pág’s 102-104

Carlos Maximiliano
vila velha - ES
Grupo de Oração Poder de Deus

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • Twitter
  • RSS

0 Response to "O culto dos Santos na Igreja"

Postar um comentário